Entretenimento

Kinani forma estudantes em técnicas de iluminação

Friday, 15/09/2017 | 08:50 UM grupo de 15 estudantes da Escola de Comunicação e Artes da Universidade Eduardo Mondlane (ECA-UEM) está a ser formado em técnicas de iluminação de espectáculos, concretamente para as artes cénicas.

https://pbs.twimg.com/media/BUW7qHHCIAAlzkX.jpg

Esta iniciativa surge no âmbito da realização da sétima edição da Plataforma Internacional de Dança Contemporânea, a ter lugar brevemente no país e está a ser levada a cabo pelo Kinani, com as aulas a serem leccionadas por diversos profissionais da área baseados na cidade de Maputo.

Para esta acção foi estabelecido um acordo de colaboração entre a Universidade Eduardo Mondlane e o Kinani ao abrigo do qual esta plataforma continuará a dar aulas práticas a estes estudantes, que são os futuros profissionais da área.

Segundo Quito Tembe, director do grupo, pretende-se que a oficina de iluminação constitua um espaço de aprendizagem virada à teoria e prática, onde os participantes têm a oportunidade de se familiarizar com materiais profissionais, tecnologia de ponta com assistência de técnicos nacionais e internacionais experientes na área.

“Em vários cantos do mundo, a iluminação conquistou um espaço significativo na área artística, porque iluminar já não é apenas clarear os espaços. É uma arte. E como tal, a arte de iluminar significa também dar vida, estilo, beleza e funcionalidade a um determinado ambiente artístico”, disse Quito Tembe.

Neste sentido, avançou, diversas experiências internacionais de sucesso serão transportadas para serem adaptadas à realidade moçambicana, sempre olhando-se para a iluminação como uma expressão artística onde o Homem pode exprimir toda sua carga emocional em palco.

A formação culminará ainda com um estágio profissional na sétima edição da Plataforma Internacional da Dança Contemporânea.

Entretanto, a presente edição do Kinani decidiu apostar na realização de residências artísticas para jovens coreógrafos e grupos de dança tradicional. O objectivo é diminuir as fronteiras que separam os estilos tradicional e contemporâneo, bem como experimentar movimentos e musicalidades existentes em ambas expressões.

Durante estas residências será questionado, igualmente, o lugar do tradicional na linguagem contemporânea e a formação da identidade num contexto de globalização acelerada.

fonte: jornalnoticias.co.mz

Comentário