Saúde

O QUE ACONTECE AO CORPO DA MULHER QUANDO INTERROMPE A PÍLULA?

Terça-feira, 03/07/2018 | 10:53 Quando se interrompe a toma da pílula, a mulher fica em risco quase imediato de engravidar. É um mito que depois da toma da pilula se demore a engravidar. Pode acontecer logo no primeiro mês.

O que acontece ao corpo da mulher quando interrompe a pílula?

O ciclo menstrual normal é regulado pelo hipotálamo e hipófise que enviam hormonas que vão atuar nos ovários e útero, induzindo alterações hormonais flutuantes ao longo do mês. Quando se toma contracetivos orais esse ciclo hormonal é frenado e as hormonas que o passam a controlar são as que tomamos na pílula, produzindo um ciclo com níveis hormonais constantes.

Esta presença no organismo de níveis hormonais constantes impede a ovulação e portanto a capacidade de engravidar. Quando se interrompe a toma da pílula, apesar do organismo ficar sem essas hormonas exógenas numa questão de breves dias, a reativação do ciclo natural comandado pelo nosso hipotálamo pode demorar um pouco. Entretanto quando o ciclo do nosso organismo é restabelecido as hormonas retomam o comando

A toma da pílula regulariza o ciclo menstrual, diminuindo significativamente os sintomas como síndrome pré-menstrual, dores mamárias, períodos irregulares. Este sintomas vão ressurgir, na maioria das vezes, com a interrupção da mesma. A toma da pílula também diminui o fluxo e a dor menstrual. Obviamente, na grande maioria dos casos, irá haver um aumento da hemorragia e da dor associada ao período quando interrompemos a mesma.

Acne e perda de cabelo

Se a paciente iniciou a toma da pílula por acne, pilosidade aumentada, períodos irregulares, dores menstruais, o mais provável é que sem a pílula volte a ter esses sintomas. Quando falamos de hormonas, cada caso é um caso e, reagimos de modo diferente de acordo com o nosso organismo. Portanto, alterações da pele, como acne e perda de cabelo são muito comuns.

Pacientes com tendência a síndrome pré-menstrual, que consiste na existência de vários sintomas tais como: irritabilidade, flutuações do humor, desejo de comer doces, retenção de líquidos a semana anterior ao período... vão voltar a ter estes sintomas que a toma da pílula também ajuda a camuflar.

Muitos estudos internacionais recentes demonstraram que o peso não se altera com o inicio ou suspensão da pílula. Dado esta evidência não parem a pílula porque acham que vai ajudar a emagrecer... O que ajuda a emagrecer é queimar mais calorias do que as que se ingere.

Em alguns casos, pode demorar vários meses a retomar o ciclo menstrual, nesses casos deve ser procurado o ginecologista pois a toma da pílula pode ocultar patologias como o síndrome do ovário policístico.

Os sintomas associados

Resumindo, as hormonas da pílula controlam as nossas hormonas e, havendo desregulação hormonal, todos os sintomas associados a essa desregulação vãoressurgir, na grande maioria dos casos com a interrupção da pílula:

  • Aumento do fluxo menstrual
  • Aumento da dor menstrual
  • Aumento de acne, da pilosidade e aumento da oleosidade e queda de cabelo
  • Aumento da síndrome pré-menstrual com os vários sintomas que o caracterizam (irritabilidade, flutuações do humor, desejo de comer doces, retenção de líquidos, etc).
  • Gravidez pois a mulher volta a ter ovulação

Quando falamos de hormonas cada caso é um caso e reagimos de modo diferente de acordo com o nosso organismo.

Uma nota final muito importante: Não se deve fazer “pausas da toma da pílula”.

A pílula só deve ser interrompida quando se pretende engravidar, mudar de método contracetivo ou surgir uma doença incompatível com a sua toma (muito raro).

É um mito muito antigo sem validade científica. Vários estudos defendem que a toma da pílula contínua diminui o risco de cancro do ovário (diminuição de 50% após 5 anos de toma contínua, por exemplo).

fonte: lifestyle.sapo.mz

Comentário