Reino Unido investe em seis áreas estratégicas em Moçambique


Sociedade - Economia

Reino Unido investe em seis áreas estratégicas em Moçambique

Quarta-feira, 08/08/2018 | 10:14 Entre 2018 e 2020, o governo britânico, através do Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID, sigla em inglês) espera investir em seis áreas estratégicas na chamada “Pérola do Índico”.

Reino Unido investe em seis áreas estratégicas em Moçambique

Ao que O País apurou junto do Alto Comissariado Britânico em Maputo, o auxílio visa, tecnicamente, preparar Moçambique para uma esperada chegada em força das receitas dos recursos naturais dentro de dez anos.

“Moçambique é um país estável e próspero para os interesses estratégicos do Reino Unido. Investir agora mitigará a necessidade de respostas humanitárias mais dispendiosas para conflitos e desastres mais tarde”, aponta o DFID na sua avaliação do portefólio dos projectos em curso no país.

Acrescentando, que a médio prazo, Moçambique tem potencial para ser um parceiro comercial importante, com uma população crescente e rendimentos crescentes gerando novas oportunidades para o Reino Unido.

As empresas britânicas têm uma forte participação nos sectores de gás natural e petróleo. Prevê-se que sejam adjudicados contratos milionários com as companhias envolvidas num enorme projecto de hidrocarbonetos em offshore no norte de Moçambique.

Para o DFID em Maputo, a forte aposta em Moçambique deve-se ao facto do país estar estrategicamente bem colocado para impulsionar o crescimento em toda a África Austral. “É rico em recursos naturais, com enormes depósitos de gás em alto-mar e significativo potencial agrícola”, destacou.

Importa salientar, no entanto, que nem tudo é “mar de rosas” nas relações bilaterais entre Maputo e Londres. Em 2016, o Reino Unido suspendeu todo o financiamento directo ao Orçamento do Estado (OE) moçambicano, na sequência das descobertas de empréstimos ilegais, avaliadas em mais de dois biliões de dólares norte-americanos.

Neste momento, qualquer tipo de financiamento à Moçambique é apenas direcionado a projectos específicos, ou seja, os fundos já não entram directamente no OE.

A ajuda do Reino Unido é fornecida através de agências multilaterais (Banco Mundial e Nações Unidas), organizações não-governamentais e contratados do sector privado. Todo o financiamento para sector privado está vinculado a metas de entrega específicas ou contratos baseados em resultados.

“Todos os contratos são negociados e monitorados de forma robusta. Os programas são monitorados de perto por uma equipa do DFID que visita projectos no campo regularmente”, esclarece o governo britânico.

A equipa do DFID se reúne com parceiros a cada trimestre para discutir o progresso, realizando revisões trimestrais do programa para avaliar os resultados, fechando ou realocando o financiamento, se necessário.

 

fonte: opais.sapo.mz

Comentário