Entretenimento - Musica

“3.6 Hz” no Centro Cultural Franco-Moçambicano

Wednesday, 08/08/2018 | 14:21 O Centro Cultural Franco-Moçambicano (CCFM) apresenta sexta-feira, o espectáculo de dança “3.6 Hz”, do coreógrafo Didier Boutiana – Cia Soul City (Reunião).

“3.6 Hz” no Centro Cultural Franco-Moçambicano

A dança é resultado de uma residência de criação de três semanas (de 23 de Julho a 10 de Agosto 2018 no CCFM) entre o coreógrafo Didier Boutiana da companhia Soul City (REU) e três bailarinos moçambicanos: Leia Mabasso, José Jalane e Vasco Uate (Mitó); a peça ‘’3.6 Hz’’ foi imaginada durante as várias estadias do coreógrafo em Maputo.

Após quatro anos de colaborações com o CCFM, Didier Boutiana abraça a cena artística de Moçambique, para procurar, com bailarinos, uma frequência comum.

Didier Boutiana é um bailarino premiado dois anos consecutivos (2009 e 2010) como o melhor breakdancer da Ilha da Reunião. Didier Boutiana torna-se, em 2011, coreógrafo da companhia Soul City e cria «Body of Knowlegde», em colaboração com a Dusi Dance Company, uma companhia Sul-Africana.  Em 2013, obtém o reconhecimento do público e dos profissionais com a sua primeira peça “Reflex”. Seguir-se-ão quatro trios: Tir Pa Kart (2014), Héva (2014), Priyèr’ Si Priyèr’ (2015), e o primeiro solo do coreógrafo: Kanyar (2017).

A dança de Didier Boutiana inspira-se no hip-hop, das realidades contemporâneas da rua, buscando ao mesmo tempo as raízes e a espiritualidade da Ilha da Reunião, explorando as esferas da partilha, do encontro e da alteridade. Desconstruir a estética, colocar-se em perigo, ir além dos seus limites mantendo, ao mesmo tempo, um objectivo de unificação, fazem parte das especificidades da sua identidade coreográfica.

Inicialmente grupo de breakdance na Ilha da Reunião, Soul City tornou-se uma companhia de dança profissional em 2008. Conhecida pelos seus espectáculos e pelo seu trabalho de formação, a companhia Soul City propõe uma dança híbrida, inspirada pelo hip-hop e pela dança contemporânea, à procura do movimento justo.

Este projecto de cooperação cultural conta com o apoio da associação France Volontaires e dos seus parceiros: a Região Reunião e o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional FEDER / programa INTERREG V OI.

 

fonte: opais.sapo.mz

Comentário