Internacional

Grupo de Lima reúne-se para avaliar medidas contra o regime venezuelano

Monday, 25/02/2019 | 11:29 O Grupo de Lima reúne-se hoje, em Bogotá, para discutir a Venezuela, num encontro que contará com o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se reunirá também com o vice-presidente norte-americano, Mike Pence.

O Grupo de Lima reúne-se hoje, em Bogotá, para discutir a Venezuela, num encontro que contará com o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se reunirá também com o vice-presidente norte-americano, Mike Pence.
Portugal participa na reunião do Grupo de Lima como observador, sendo representado pela embaixadora em Bogotá, Gabriela Soares de Albergaria, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.
O Grupo de Lima é formado pelos chefes da diplomacia da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

A reunião realiza-se após um fim de semana de violência nas fronteiras da Venezuela com a Colômbia e o Brasil, com um saldo de pelo menos quatro mortos e centenas de feridos, quando a oposição ao regime do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, tentou fazer entrar no país ajuda humanitária.

Maduro justifica a recusa da ajuda humanitária por considerar que se trata de uma ação de propaganda política da oposição e um primeiro passo para uma invasão estrangeira.

No rescaldo da violência, Juan Guaidó anunciou que irá pedir formalmente à comunidade internacional que mantenha "abertas todas as opções para conseguir a libertação" da Venezuela.

Também o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que "todas as opções estão sobre a mesa" para "garantir que a democracia prevalece" na Venezuela e avisou que Washington "vai tomar medidas" após os distúrbios no sábado.

Em reação, o ministro dos Negócios Estrangeiros venezuelano, Jorge Arreaza, disse que Mike Pompeo está "desesperado" em busca de um "pretexto para a guerra".

Portugal e Espanha disseram no domingo, pelos respetivos chefes da diplomacia, que se opõem a uma intervenção militar na Venezuela.

"Para nós, a solução política de que a Venezuela carece não se obtém através de uma intervenção externa. Essa intervenção só agravaria ainda mais o problema. Há países que têm dito que todas as soluções estão em cima da mesa. Não é essa a posição da União Europeia. Nós achamos que a solução por via de uma confrontação interna não é solução, e a solução por via de uma solução externa também não é solução", declarou o ministro português Augusto Santos Silva à Lusa.

O Presidente da Colômbia, Iván Duque, que esteve com Juan Guaidó na fronteira com a Venezuela, disse que o Grupo de Lima deverá apertar o cerco diplomático ao regime de Caracas, sem se deixar levar por "discursos belicistas".

O cerco diplomático, disse Duque, permitiu que "um grupo muito importante de países já reconheçam Juan Guaidó".

O presidente do parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, autoproclamou-se Presidente da República interino há um mês, com a promessa de convocar eleições, e reuniu o apoio de meia centena de países, incluindo de Portugal e da maioria dos Estados-membros da União Europeia.

fonte: https://www.noticiasaominuto.com/mundo/1205244/gru

Comentário