Saúde

Carne e riscos para a saúde: o que a ciência não mostra

Segunda-feira, 04/03/2019 | 08:23 Parece que dificilmente passamos uma semana sem um estudo em algum lugar do globo que relaciona algum produto de carne a algum tipo de risco para a saúde.

Parece que dificilmente passamos uma semana sem um estudo em algum lugar do globo que relaciona algum produto de carne a algum tipo de risco para a saúde.

Shalene McNeil é diretora executiva de pesquisa de nutrição humana para a National Cattlemen’s Beef Association, dos Estados Unidos. O Meatingplace fez uma entrevista com ela.

Meatingplace: Por décadas, vários estudos tentaram relacionar a carne ao câncer. Algumas pesquisas parecem vincular os dois, enquanto outras pesquisas não. O que a pesquisa mais recente e mais confiável nos diz sobre essa relação? Isto existe?

MCNEIL: Para entender o que a ciência está nos dizendo, precisamos examinar o conjunto de evidências, em vez de estudos únicos, que muitas vezes podem ser inconsistentes. O conjunto líquido de evidências mostra que a associação entre carne vermelha e câncer é fraca e diminui ao longo do tempo. Estudos nos últimos cinco anos relatam fraca ou nenhuma associação com carne vermelha e câncer em comparação com estudos realizados há mais de 15 anos.

As principais organizações de câncer estão reconhecendo isso. O relatório do Projeto de atualização contínua (CUP) de 2017, divulgado recentemente pelo Instituto Americano de Pesquisa do Câncer, reduziu a força da evidência sobre a carne vermelha e o câncer cólon-retal de seu relatório de 2010 de “convincente” para “provável”.

Como nutricionista registrada, gostaria de lembrar ao público que alimentos únicos não causam – ou curam – o câncer. O melhor conselho é consumir uma dieta saudável e equilibrada, consumir álcool com moderação, evitar fumar e manter um peso saudável.

Meatingplace: Parece que poucas pessoas entendem a diferença entre a pesquisa que encontra uma correlação entre uma doença e as pessoas que comem certos alimentos e estabelecem uma relação causal entre a doença e o consumo de um determinado alimento. Houve alguma pesquisa que tenha estabelecido uma relação causal entre carne bovina e câncer?

MCNEIL: Nenhuma ligação causal já foi estabelecida entre qualquer alimento e câncer. A correlação não é causalidade. Não há muitos estudos de “causa e efeito” – ensaios clínicos sobre dieta e câncer – em parte porque o câncer leva muito tempo para se desenvolver e, é claro, não seria ético fornecer carcinógenos na dieta humana, se eles fossem conhecidos.

Assim, grande parte da ciência depende de estudos observacionais que só podem mostrar associações e não são capazes de tirar conclusões de “causa e efeito” e são limitadas, porque é difícil desembaraçar os efeitos independentes de carnes, como a carne bovina, de outros alimentos da dieta e de fatores de estilo de vida. No entanto, existem alguns estudos de intervenção de grande porte. A Iniciativa de Saúde da Mulher e o Teste de Prevenção de Pólipo, mostram que uma redução no consumo de carne vermelha e carne processada não reduziu o risco de câncer cólon-retal e/ou não teve efeito sobre a recorrência do adenoma no intestino grosso.

Meatingplace: O que os membros da indústria podem fazer para ajudar os consumidores a entender a complexidade da relação entre câncer e alimentos como a carne bovina?

MCNEIL: Precisamos lembrar às pessoas que a carne é um alimento para a saúde. Ela fornece nutrientes essenciais, como proteínas de alta qualidade, ferro, zinco e vitaminas B necessárias para o crescimento, desenvolvimento e bem-estar geral. A carne fornece nutrição para permanecer forte agora e no futuro.

As pessoas realmente gostam de comer carne e estão à procura de dicas práticas sobre como comer uma dieta saudável e equilibrada. Podemos oferecer ideias de refeições saudáveis com carne que são fáceis de preparar e são deliciosas. Eles não querem deixar de comer carne bovina e a pesquisa mostra que a maioria das pessoas provavelmente não precisa.

É nosso papel na indústria apoiar e encorajar refeições mais saudáveis com carne bovina. Isso significa encorajar cortes mais magros com mais frequência, mostrando porções sensíveis e combinando carne com deliciosas refeições equilibradas com vegetais, grãos integrais e frutas.

Meatingplace: o que você vê como equívocos comuns sobre gorduras saturadas, como gordura animal e doença cardíaca?

MCNEIL: Um dos equívocos mais comuns que eu vejo é de que carne é sinônimo de gordura saturada. Muitas pessoas, mesmo especialistas em nutrição, ficam surpresos ao saber que cerca de metade da gordura da carne é gordura monoinsaturada, a mesma gordura saudável para o coração encontrada no azeite.

E a ciência sobre gorduras saturadas e doenças cardíacas está mudando também com vários estudos de pesquisa recentes questionando o vínculo entre gorduras saturadas e doenças cardíacas. Enquanto os cientistas continuam debatendo gorduras saturadas, é importante saber que vários estudos de alta qualidade mostram consistentemente que comer carne magra, como parte de uma dieta saudável e equilibrada, melhora o colesterol e apoia a saúde cardíaca.

Uma boa nutrição significa comer uma variedade de alimentos, mas não há nenhuma razão pela qual a carne magra não pode ser a proteína de escolha para uma dieta saudável para o coração.

Meatingplace: Eles dizem, “tudo com moderação”. Qual é a quantidade saudável de carne bovina para o adulto médio consumir por semana?

MCNEIL: Todos são diferentes, então não há uma resposta exata para esta questão. No entanto, a evidência de boa qualidade de inúmeros ensaios clínicos controlados randomizados (pesquisa de padrão-ouro) mostra consistentemente que comer 4-5,5 onças (113,a 155,92 gramas) de carne magra diariamente, como uma parte de um padrão alimentar saudável, apoia uma boa saúde.

As pessoas muitas vezes me perguntam: “Eu sempre preciso escolher um corte magro? Minha resposta é “não”. Hoje, a oferta geral de carne é mais magra e qualquer corte de carne pode apoiar uma dieta saudável e equilibrada. A questão é que se você gosta de comer carne, não há nenhuma razão pela qual não pode ser sua proteína de escolha em uma dieta saudável.

Fonte: MeatingPlace.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

fonte: https://www.beefpoint.com.br/carne-e-riscos-para-a

Comentário