Sociedade - Economia

Títulos de dívida foram os que mais perderam desde Janeiro

Sábado, 09/03/2019 | 10:23 Os títulos de dívida soberana nacional emitidos na sequência da reestruturação da dívida corporativa da Ematum perderam 6,9% do valor desde Janeiro, contrastando com a média de 3,3% ganha pelos títulos dos mercados emergentes.

Os títulos de dívida soberana nacional emitidos na sequência da reestruturação da dívida corporativa da Ematum perderam 6,9% do valor desde Janeiro, contrastando com a média de 3,3% ganha pelos títulos dos mercados emergentes.

De acordo com a agência financeira Bloomberg, os títulos de dívida soberana MOZAM2023, emitidos em 2016 e que entraram em incumprimento financeiro em 2017, perderam 6,9% do valor desde Janeiro, colocando este ‘papel’ no último lugar da lista de 70 países contemplados no Índice Bloomberg Barclays dos Títulos de Dívida dos Mercados Emergentes.

Depois de ter terminado o ano passado como um dos principais recuperadores de terreno no que diz respeito à valorização, motivada pela perspectiva de um acordo com os credores, anunciado em 05 de Novembro, este ano o percurso está a ser o inverso.

O preço dos títulos desceu para 85 cêntimos de dólar, quando no princípio do ano estava nos 93 cêntimos, nota a Bloomberg, acrescentando que os sucessivos episódios da saga da dívida oculta estão a acabar com o interesse dos investidores nestes títulos.

No final de Dezembro, a África do Sul deu seguimento a um pedido de detenção do antigo ministro das Finanças Manuel Chang e, poucos dias depois, já no início de Janeiro, foi a vez de as autoridades londrinas deterem três antigos banqueiros do Credit Suisse – Andrew Pearse, Surjan Singh e Detelina Subeva.

Na mesma altura, um dos principais líderes da Privinvest, Jean Boustani era detido pela Justiça norte-americana, todos acusados de terem usado pelo menos 200 milhões de dólares dos empréstimos à Ematum, MAM e ProIndicus em subornos e pagamentos indevidos.

Já em Fevereiro, a Procuradoria-Geral da República anunciou um processo contra vários antigos dirigentes de empresas públicas e pessoas ligadas ao antigo Presidente Armando Guebuza, como a secretária e o filho. Ao todo, foram detidas 11 pessoas, oito das quais ficaram em prisão preventiva.

Já esta semana, a PGR, em nome do Estado de Moçambique, coloca uma acção num tribunal britânico contra o Credit Suisse, entre outros, na qual defende que o empréstimo de 622 milhões de dólares à ProIndicus deve ser considerado ilegal e, portanto, não sujeito a pagamento.

fonte: https://noticias.sapo.mz/economia/artigos/titulos-

Comentário