Desporto

Novo empate transporta Fernando Santos para o pior registo na Seleção

Tuesday, 26/03/2019 | 10:40 Portugal está há quatro jogos sem conhecer o sabor da vitória, algo que não acontecia desde 2013.

Portugal está há quatro jogos sem conhecer o sabor da vitória, algo que não acontecia desde 2013.

A Seleção Nacional já viveu dias melhores. A formação das quinas voltou a somar mais um empate, na noite de segunda-feira, diante da Sérvia (1-1), num jogo pautado pela lesão de Cristiano Ronaldo e uma  arbitragem polémica. De facto, Fernando Santos vive a pior fase desde que assumiu o comando técnico da Seleção em 2014, após uma desapontante campanha de Portugal no Mundial'2014 ainda sob o leme de Paulo Bento. 

Neste momento, Fernando Santos soma quatro jogos consecutivos sem conhecer o sabor da vitória, algo inédito neste seu percurso pela seleção. 

A anterior pior série de jogos sem ganhar tinha acontecido no Euro'2016, competição que Portugal conquistou. Na fase de grupos daquele campeonato europeu, a formação das quinas somou três empates (Islândia, Áustria e Hungria) em outros tantos jogos. 

Fernando Santos precisa assim de inverter tal ciclo negativo que, diga-se, poderá ser "penalizador" no momento em que se tiveram de fazer as contas da qualificação para o Europeu de 2020. É verdade que estes foram apenas os primeiros dois jogos desta fase de apuramento, mas o próprio selecionador admitiu que se tratavam de dois maus resultados por terem sido obtidos em solo nacional. 

Recorde-se que a última vez que Portugal esteve quatro jogos sem vencer foi entre 2012 e 2013, com Paulo Bento enquanto selecionador. 

O que falhou? 

Nestes dois duelos, com a Ucrânia e a Sérvia, Portugal revelou claros problemas de finalização. Esta Seleção consegue circular a bola com critério, tem vários jogadores com uma qualidade técnica acima da média, mas geralmente o último passe acaba por ter o pior destino. Portugal precisa de ser mais cirúrgico no momento de finalizar as jogadas. Precisa de ser mais objetivo no momento de partir para o ataque. 

O jogo com a Sérvia deixou isso bem evidente. Portugal criou oportunidades, conseguiu trocar as voltas à defensiva adversária, mas no momento de marcar... falhou. Ora porque aparecia um corte no último instante, ora porque alguém estava no sítio errado, ora porque alguém chegava atrasado ao lance. 

Arbitragem interferiu 

A arbitragem do jogo de ontem ficou manchada por uma decisão polémica aos 72 minutos de jogo. Num lance em que Rukavina tocou a bola com a mão depois de um cabeceamento de André Silva, o árbitro apontou prontamente para a marca do castigo máximo. No entanto, depois de conferenciar com os restantes elementos de arbitragem, Szymon Marciniak voltou atrás com a decisão e deixou os jogadores de Portugal e Fernando Santos à beira de um ataque de nervos. Aliás, o selecionador nacional confidenciou que o árbitro lhe pediu desculpa no final da partida e que o lance era mesmo penálti. 

No meio de tamanha confusão é impossível não pensar o porquê de não haver vídeoárbitro nos jogos de qualificação. Ora, tendo em conta aquilo que se verificou ontem no Estádio da Luz, a UEFA deverá refletir sobre a não utilização do VAR nesta fase. Uma decisão injusta como esta teria sido evitada com a ajuda das novas tecnologias. 

Dados comprovam 'jogo de loucos' 

Quem assistiu a este jogo não pode queixar-se de falta de emoção. Ao longo dos 90 minutos viveram-se situações de golo eminente e até momentos dramáticos. No entanto, para os portugueses o desfecho não foi o desejado. Agora, resta aos comandados de Fernando Santos recuperar terreno em setembro, altura em que Portugal tem uma dupla jornada fora de portas, na Lituânia e na Sérvia. Pelo meio há uma Liga das Nações para ganhar. 

fonte: https://www.noticiasaominuto.com/desporto/1223070/

Comentário