Desporto

Só Danilo 'partiu pedra' para encontrar o caminho do Jamor

Quarta-feira, 03/04/2019 | 10:55 Internacional português foi o único a passar no teste de Braga. Nunca adormeceu à sombra da vantagem, marcou o golo do empate e ainda evitou o segundo dos minhotos.

Internacional português foi o único a passar no teste de Braga. Nunca adormeceu à sombra da vantagem, marcou o golo do empate e ainda evitou o segundo dos minhotos.

Se o triunfo por 3-0 na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal conferia um importante conforto ao FC Porto para este novo embate com o Sp. Braga, a atitude prometida por Abel Ferreira na antevisão do encontro fazia prever uma forte 'batalha' na Pedreira.

Esse tal espírito de missão sublinhado pelo treinador foi exatamente provado pelos jogadores bracarenses logo desde o primeiro minuto e a bola na trave de Wilson Eduardo, aos 2', foi o primeiro capítulo de um domínio absoluto dos da casa. 

A essa supremacia arsenalista juntou-se uma inexplicável apatia portista e o golo de Paulinho - que classe! -, à passagem dos 41', confirmou apenas o que já era esperado.

É certo que os dragões se apresentaram com várias mudanças no onze, mas a incapacidade para ligar o jogo e implementar a ideia de um futebol apoiado pedida pelo técnico contribuíram para uma noite sofrida, que só não acabou em desastre por culpa de Danilo Pereira, o melhor dos campeões nacionais nesta partida.

O internacional português foi, sem sombra de dúvidas, o único a 'partir' pedra na cidade dos arcebispos. Se do ponto de vista defensivo demonstrou o nível habitual, no aspeto ofensivo foi o mais esclarecido e o golo, à entrada para o último quarto de hora, não só terminou com as esperanças do Sp. Braga, como deu à equipa uma tranquilidade que, estranhamente, faltou desde o apito inicial - que o diga o guarda-redes Fabiano, que meteu 'água' por todos os lados, em especial no primeiro tempo. 

Olhando para as estatísticas, a exibição do capitão salta ainda para outros níveis qualitativos. O golo em apenas um remate conferem-lhe 100% de aproveitamento em termos de finalização, mas no capítulo do passe Danilo também se destacou, com 83,9% de precisão, bem como na 'limpeza' que demonstrou no desarme, cometendo apenas duas faltas.

Se para muitos aquele cabeceamento triunfal pode ter sido a 'cereja' no topo do bolo, o corte em cima da linha do golo, perto dos 90', evitando o golo de Palhinha, revelou estar ao mesmo nível de importância para o FC Porto. A presença na final do Jamor tem um enorme 'cunho' de Danilo, cada  vez mais uma figura de proa desta equipa de Sérgio Conceição.

fonte: https://www.noticiasaominuto.com/desporto/1228070/

Comentário