Internacional

Ciclones: BAD alerta para crise humanitária sem precedentes

Tuesday, 30/04/2019 | 14:04 O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Akinwumi Adesina, alertou hoje que a região da África Austral "está à beira de uma crise humanitária sem precedentes", defendendo uma resposta global de emergência às catástrofes climatéricas.

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Akinwumi Adesina, alertou hoje que a região da África Austral "está à beira de uma crise humanitária sem precedentes", defendendo uma resposta global de emergência às catástrofes climatéricas.

"Estamos à beira de uma crise humanitária sem precedentes, precisamos de nos preparar para inundações, deslizamentos de terra e surtos de doenças na sequência dos ciclones", disse Adesina, durante uma intervenção na sede do banco em Abidjan, a capital económica da Costa do Marfim.

Para o líder desta instituição multilateral de financiamento, "as intervenções atempadas de actores nacionais, regionais e internacionais, e dos acionistas, são cruciais quando os desastres acontecem", pelo que "os desafios ecológicos de África só serão vencidos se forem atacados através da harmonia entre os esforços e as actividades das instituições globais e continentais".

As declarações de Akinwumi Adesina surgem na sequência da passagem de dois ciclones por Moçambique e outros países vizinhos nas últimas semanas, deixando centenas de mortos, milhares de pessoas desalojadas e tendo um impacto directo numa população de cerca de três milhões de pessoas.

O prejuízo económico destes ciclones ronda os mil milhões de dólares, de acordo com as estimativas das entidades oficiais dos países afectados, que estão a ser visitados por responsáveis do BAD.

"O que vimos no terreno em Moçambique depois do Idai, e nos campos de acolhimento para as pessoas deslocadas no sul do Maláui, mostra a necessidade que existe em nos focarmos em restaurar a dignidade dos cidadãos e na estabilidade económica das comunidades quando os desastres acontecem, disse o vice-presidente para os Serviços Empresariais e Recursos Humanos, o moçambicano Mateus Magala.

Ainda esta semana, a delegação do BAD, composta, entre outros, pelo diretor executivo para o Maláui, Zâmbia e Ilhas Maurícias, Patrick Zimpita, e pelo director executivo para Angola, Botsuana, Moçambique, Namíbia e Zimbábue, Heirich Gaomab II, deverá ir a Harare, visitando os distritos de Chimanimani, Chipinge e Mutare.

De acordo com o mais recente ponto de situação, divulgado na segunda-feira pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), a passagem do ciclone Kenneth pela província moçambicana de Cabo Delgado, no Norte, causou 38 mortos, 39 feridos e afectou 168.254 pessoas.

O ciclone Kenneth passou, na semana passada, no norte de Moçambique, causando inundações em várias localidades, depois de em Março a zona centro do país ter sido atingida pelo ciclone Idai, que afectou 1,5 milhões de pessoas e provocou 603 mortes.

fonte: https://noticias.sapo.mz/actualidade/artigos/ciclo

Comentário