Desporto

MOÇAMBOLA-2015: “Clássico” e duelo de aflitos destaques da sétima jornada

Saturday, 25/04/2015 | 09:07 PARA além do já anunciado “clássico” do desnível entre o Maxaquene e o Desportivo, esta tarde, no Estádio da Machava, a sétima jornada do Moçambola-2015 oferece mais um duelo de prováveis aflitos, no “Caldeirão” do Chiveve.

Trata-se do embate entre o Ferroviário da Beira e Costa do Sol, formações que ocupam lugares da cauda. Derrota ou empate pode complicar mais a sua situação, numa altura em que há uma forte disputa tanto na cauda bem como no pódio.

O Ferroviário da Beira, que em seis jornadas registou quatro derrotas e duas vitórias, está irreconhecível. Depois de uma entrada convincente, que os colocou nos lugares de pódio ao fim da terceira jornada, os “locomotivas” da Beira começaram a ressentir-se de uma crise de efeito logo que foram afastados da Taça CAF. Quedaram-se consecutivamente perante os seus homónimos de Nacala e Maputo e, por último, na recepçao à estreante ENH de Vilankulo.

Sem jogar mal, o Ferroviário da Beira não tem sido feliz no capítulo da finalização. Os “canarinhos”, com apenas uma vitória frente ao Ferroviário de Nampula, três empates e duas derrotas, ressentem-se do mesmo problema. Pelo menos denotaram isso nos últimos encontros. Então, esta é a principal solução que devem trazer para este duelo se quiserem sair da situação desconfortável em que se encontram.

Enquanto isso, o actual líder, Ferroviário de Maputo, pode consolidar a liderança se vencer o encontro com o 1.º de Quelimane, que, apesar de estreante, tem vindo a oferecer resistência, sobretudo, perante equipas do seu nível. Com duas vitórias, igual número de empates e vitórias, os quelimanenses estão no meio da tabela.

E nada mais lhes importa senão lutar pelas posições que lhes assegurem, ainda cedo, alguma tranquilidade, enquanto o seu adversário da ronda precisa de vencer para manter a vantagem que, por enquanto, é escassa relativamente aos seus mais directos perseguidores, por sinal principais concorrentes ao título. Trata-se da Liga Desportiva e Maxaquene, que curiosamente somam os mesmos pontos (12), ou seja, estão a um ponto dos “locomotivas” da capital.

A Liga vai a Vilankulo defrontar a também estreante ENH que, depois da vitória sobre o Ferroviário da Beira, sente-se moralizada nos esforços visando afastar-se cada vez mais dos lugares menos confortáveis. Mas essa missão pode não lhe ser facilitada pela campeã nacional, que, obviamente, luta pela defesa do título. As mesmas aspirações têm obviamente o Maxaquene.

Na luta pelos lugares cimeiros estão igualmente o Desportivo de Nacala e HCB, que se apresentam nas posições a seguir ao trio da frente. Os nacalenses têm uma missão espinhosa na deslocação ao reduto do Ferroviário de Quelimane, que também luta para diminuir a distância em relação ao pódio. Enquanto isso, o HCB desloca-se curiosamente a Nacala ao encontro do Ferroviário local e com a moral alta após a vitória em casa sobre o Maxaquene. Mas pode encontrar uma forte resistência, pois os “locomotivas” nacalenses estão à procura de conforto.

Outro jogo não menos interessante coloca frente-a-frente o Ferroviário de Nampula e o Chibuto, no terreno dos “locomotivas”, ambos com a mesma preocupação: evitar cair no precipício.

fonte: jornalnoticias.co.mz

Comentário